Relatórios

Relatório final do projecto de educação ambiental “WADERS OF BIJAGÓS”

O nosso Planeta Terra é um ecossistema altamente conectado e os conectores globais mais surpreendentes do nosso mundo natural são as aves aquáticas migratórias de longa distância.

Estas aves circulam entre continentes à procura de melhores condições de vida, alimentação e reprodução. A migração das aves sempre foi considerada um dos fenómenos naturais mais fascinantes da história da vida. A forma como as ligações globais através das migrações acontecem tem sido designada “flyways” (rotas de migração). Entre as seis principais rotas aéreas do mundo, é a rota Este Atlântico que liga as tundras do Nordeste do Ártico ao Canadá, ao norte da Europa, à Rússia e à metade ocidental da Sibéria com as costas da Europa ocidental e da África ocidental até ao sul da Cidade do Cabo na África do Sul. Dentro deste sistema, o Arquipélago de Bijagós na Guiné-Bissau destaca-se pela sua importância única como sítio importante que acolhe as aves fora da época de reprodução, à imagem de outras duas áreas, o Mar de Wadden, entre a Dinamarca, Alemanha e Holanda e o Banc d’Arguin na Mauritânia.

O Arquipélago dos Bijagós é uma zona de importância Internacional da concentração de aves aquáticas migradoras provenientes do Norte da Europa. Por esta razão foi classificado como Reserva da Biosfera pela UNESCO e como zona Húmida de importância internacional, pela Convenção de Ramsar.É neste contexto que o IBAP, a ONG Palmeirinha e a ODZH, com o apoio científico internacional da Faculdade de Ciências de Lisboa, da Universidade de Aveiro, em Portugal e da Universidade de Groningen e NIOZ, financiado pela Fundação MAVA para a Natureza, estão implementar nas Áreas Marinhas Protegidas (o Parque Nacional de Orango, João Vieira e Poilao, Áreas Comunitárias de UROCK e Reserva de Biosfera Bolama e Bijagós, o projeto WADERS OF BIJAGÓS”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *